Chacina da Candelária

Hoje completa-se 28 anos do assassinato de Paulo Roberto de Oliveira, 11 anos, Anderson de Oliveira Pereira, 13 anos, Marcelo Cândido de Jesus, 14 anos, Valdevino Miguel de Almeida, 14 anos, “Gambazinho”, 17 anos, Leandro Santos da Conceição, 17 anos, Paulo José da Silva, 18 anos, Marcos Antônio Alves da Silva, 19 anos; todos meninos de rua; todos órfãos ou fugidos de lares violentos, todos esquecidos, desprezados pelo sistema. Assassinados por milicianos em frente a catedral da Candelária enquanto dormiam, esses meninos têm mais uma característica em comum: a cor da pele negra que atrai o ódio, a repulsa, o desdém, a violência que os mata, os exclui, os apaga; a cor que atrai as alvas balas dos cidadãos de bem que trocam vidas por calçadas limpas.

Hoje, 28 anos da chacina da Candelária. Um crime brutal que, como tantos outros, antes e depois, fez afirmar em cada vida ceifada, em cada tiro disparado, que o racismo não desiste.

“Não existe capitalismo sem racismo” – Malcolm X.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
close-alt close collapse comment ellipsis expand gallery heart lock menu next pinned previous reply search share star