Só um pedacinho, taoquei

Entraram em vigor os decretos do esterquíssimo presidente da república dos vira-latas Jair Bolsonaro, que flexibilizam o acesso à armas de fogo para que os brazilian caubóis tenham o direito de matar o que estiver incomodando sua existência, uma vez que a resistência antifascista-te-ti-to-tu ficou para a história dos avatares de redes sociais. Os decretos aumentarão exponencialmente a violência doméstica, o feminicídio, o lgbtcídio, crimes de racismo e toda sorte de agressões perpetradas na sua maioria por homens brancos rambozificados pela Tela Quente, amém.

Graças a uma ação movida pela oposição, a ministra Rosa Weber, do STF, suspendeu alguns trechos dos decretos, entre eles, o que aumenta o limite de armas de fogo por cidadão – de duas para seis –, outro que permite que policiais, agentes prisionais, membros do Ministério Público e de tribunais comprem duas armas de fogo de uso restrito, além das seis de uso permitido, e o trecho de outro decreto que aumenta o número de armas e munição para caçadores, atiradores e colecionadores. As suspensões de Weber ainda terão que passar pelo pleno do STF. É fácil perceber que os decretos favorecem gente que tem dinheiro pra comprar armas – até seis, no mínimo R$ 3.500 a mais barata –, ou seja, gente rica, cujo interesse é proteger suas posses e seus valores, cristãos ou não – aleluiamém! –, com unhas e dentes, com ou sem os decretos de Bolsonaro, pfiu, pfiu.

O que paira no ar, denso e fétido como as manifestações coprolálicas do presidente, é o inquietante motivo pelo qual não foram suspensos todos os decretos, uma vez que o Estatuto do Desarmamento está em vigor desde de 2003 e é um mecanismo, mesmo que falho, que garante que armas de fogo não sejam banalizadas como meros produtos de consumo na vitrine limpinha cheirosa do liberalismo individualista, mas que sejam de uso exclusivo e responsável das Forças Armadas e das polícias em defesa da vida de todas e todos os cidadãos, da soberania nacional e, em casos extremos, da própria democracia. Conclui-se, portanto, que há trechos nos decretos que o STF entende como de interesse público de poucos, com Bolsonaro, com tudo.



One reply to “Só um pedacinho, taoquei

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
close-alt close collapse comment ellipsis expand gallery heart lock menu next pinned previous reply search share star