A elite brasileira sempre acorda com o pé direito.

Mais um episódio de violência policial na periferia da capital paulista. A vítima, uma mulher negra de 51 anos, em Parelheiros, Zona Sul de São Paulo, imobilizada, sufocada pela bota de um policial esmagando seu pescoço ao tentar impedir que um homem continuasse a ser espancado por outro policial. Apenas mais um dia na periferia das capitais.

O que leva um policial a agir com tamanha brutalidade, sabendo que qualquer pessoa pode sacar um celular, filmar a sessão de tortura e denunciá-lo imediatamente? O mesmo que faz de um menino de 7 anos de idade fantasiado de policial militar sensação nas redes sociais: a certeza da impunidade encalacrada, da pele branca aos ossos, de uma cultura genocida, racista, fascista, doente.

A violência policial nunca sai de moda: heroitizada nos enlatados cinematográficos e nos tablóides sensacionalistas das mídias conservadoras, consumida à exaustão desde a infância; a naturalização da morte de quem tem a pele estigmatizada pela cor. A mesma bota, a mesma farda, imobiliza, sufoca, esmaga as mesmas pessoas, nos mesmos lugares, desde sempre, para sempre…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
close-alt close collapse comment ellipsis expand gallery heart lock menu next pinned previous reply search share star